Historia - Lacrimedamore

Vai ai contenuti
Contatti e links > traduzioni > LÁGRIMAS DE AMOR

                             LÁGRIMAS DE AMOR

(Trad. by Claudia & Giovanna)


A 21 de Março de 1953 celebrou-se em Siracusa o casamento de duas simples criaturas: Ângelo Lannuso e Antonina Giusto.
Entre todas as prendas, os noivos receberam também um pequeno quadro de gesso que representava o coração imaculado e doloroso da Virgem Maria.
Ambos decidiram pôr o quadrinho junto à sua cama de casal.
Antonina engravidou muito cedo, mas adoeceu com uma intoxicação grave. Mesmo que toda a gente a tivesse aconselhado a abortar, a mulher acudiu à sua Virgem com esta simples oração: “Dai-me o prazer de ver nascer o meu filho, depois faça de mim o que Deus quiser”.
Na manhã de 29 de Agosto de 1953, depois de outro mau estar repentino, que, devido à sua doença lhe tinha tirado a vista momentaneamente, a senhora Lannuso olhou o humilde quadro que a sua cunhada lhe tinha oferecido pelo casamento e, com muita emoção, viu que saíam lágrimas dos olhos da Virgem.




Em pouco tempo, muita gente acudiu para ver a “Virgenzinha da noiva” que chorava, e que assim continuou por três dias. Entretanto, sobretudo por um problema de ordem pública, o pequeno quadro foi removido para fora de casa para que toda a gente pudesse ter a oportunidade de admirar com os seus próprios olhos aquele evento milagroso.
No dia 1 de Setembro, quarto dia da lacrimação, uma comissão analizou umas mostras do líquido que saía do quadrito.
Mas, no momento em que se recolheram umas trinta gotas, o quadro de gesso deixou imediatamente de chorar, como se quisesse enviar um sinal... A Virgenzita de Siracusa tinha falado “com os olhos” perante todo o mundo...
As lágrimas analizadas e confrontadas com as de uma criança resultaram ser quimicamente iguais às nossas.
Para além da composição química do líquido, continha ainda vestígios de proteínas e uratos, e não tinha nenhum rasto dos componentes típicos do gesso e dos colorantes.
Nos dias seguintes, o quadrito de Siracusa foi levado para a Praça de Euripide, onde surgiu o primeiro santuário da Virgem das Lágrimas.

No ano de 1968, foi levado para o primeiro verdadeiro Santuário da Virgem das Lágrimas, o qual hoje em dia é a cripta da Basílica.
Em 1994, no mês de Novembro, João Paulo II inaugurou a parte superior do templo. E o pequeno quadro, que se colocou neste sítio, e que foi coroado pelo Cardeal De Giorgi pelo 50º aniversário, parece continuar a falar a todos os peregrinos pelos mesmos olhos que falaram em 1953!
 

Torna ai contenuti